Letras

A poetiza Hirondina Joshua “matou” o poeta Eduardo White

Texto: Leonel Matusse Jr. | Foto: Urgel Matula

A POETIZA moçambicana Hirondina Joshua apropriou-se de várias influências, com destaque para Eduardo White, e encontrou a sua voz poética. Transformou os autores que leu em meros caminhos para a sua obra de estreia, “Os Ângulos da Casa”.

herondina-josgua

Lançado na Fundação Fernando Leite Couto (FFLC), na cidade de Maputo, o livro é o primeiro de um projecto que visa publicar obras inéditas de jovens escritores moçambicanos.

“Ela é a primeira autora de muitos outros que ainda vão publicar”, anunciou na cerimónia o presidente da FFLC, Mia Couto, prefaciador da obra.

Recuando no tempo, precisamente em 2003, o escritor do romance “A Bíblia dos Pretos”, Midó das Dores, declarou a morte da literatura moçambicana, uma vez que não havia novos autores a publicar.

Mas Moçambique, que é um país abundantemente de poesia, ao revelar talentos emergentes, como a Hirondina Joshua, invalida a certidão de óbito anunciada por Midó, considera Mia Couto.

“Há vários jovens a fazerem poesia de qualidade e um dia vão conquistar o seu lugar”, referiu Couto, e na sequência observou que a escrita de Hirondina Joshua parece  alguém já maduro e com vários anos de estrada.

img_5794

Mbate Pedro

O poeta Mbate Pedro, prémio BCI/2015 e que apresentou a obra “Os Ângulos da Casa”, classificou a autora como alguém que “bebeu” de muitas leituras, desde Herberto Hélder, Adélia Prado, e muito de Eduardo White, que ao encontrar “o matou”.

Mbate referiu que ela é parte de uma geração pós-Charrua, herdeira de Eduardo White, da qual fazem parte outros jovens escritores, como Álvaro Taruma, Nelson Lineu e Eduardo Quive.

“Há que olhar para esta geração pós-Charrua, que traz consigo outros valores e uma escrita segura”, frisou.

Embora tenha referido que ignora a questão dos géneros na literatura, Mbate Pedro destacou que depois de Noémia de Sousa “houve uma travessia no deserto”, que pode estar a ser quebrada com esta obra, que é rica em material de escrita explorada.

Sobre o título do livro, cuja capa é uma fotografia de Naíta Ussene, explicou que não é necessariamente uma “casa” física, mas um espaço íntimo, a consciência e valores que cada um dos indivíduos carrega consigo.

“Os Ângulos da Casa” é um convite “a um passeio pelas ruas que às vezes são nossas, uma visita a um quotidiano que sendo familiar nos é estranho porque nele se fala um idioma a que Hirondina chama “a língua dos céus” ”, lê-se no prefácio de Mia Couto.

Hirondina Joshua, que em 2014 foi distinguida com a menção extraordinária no Prémio Mondiale di Poesia Nósside, nasceu em Maputo a 31 de Maio de 1987. Está integrada em várias antologias, é colaboradora de revistas, jornais, blogs e sítios de internet nacionais e internacionais.

img_5935

Da esquerda para direita, Mia Couto, Mbate Pedro e Hirondina Joshua

*Publicado no Jornal Notícias

Standard

One thought on “A poetiza Hirondina Joshua “matou” o poeta Eduardo White

  1. Uli diz:

    Esqueceram de Mencionar o grande declamador eloquente Jaime Santos ao lado da Hirondina Joshua……..belíssima intervenção

    Gostar

Os comentários estão fechados.